Histórias de Rio Preto. Waldemar Verde e seu teco-teco que jogava dinheiro pela janela.

Waldemar de Oliveira Verde é um empresário rio-pretense de destaque nacional e internacional. Suas empresas são conhecidas nacionalmente, o Grupo Verde, do qual ele faz parte do conselho, é um dos 100 maiores grupos empresariais do Brasil.

Em São José do Rio Preto e região Waldemar de Oliveira Verde teve papel de destaque com produção de algodão, já foi denominado rei do algodão nos anos de 1940,  investiu no comércio de automóveis, nas marcas Studebaker, Mercedez-Benz, Toyota e Daewoo. Também foi presença marcante na política de Rio Preto e região, atuando como presidente, vice-presidente e conselhos de várias associações industriais e comerciais.

O grande empresário, de certa feita, comprou um avião teco-teco. Na na verdade trocou uma camionete Ford pelo teco-teco, isso lá em Mirassol nos idos anos de 1942. O empresário era correspondente do Banco do Brasil e precisava entregar dinheiro para seus clientes. Nem sempre era fácil chegar aos lugares por aquela época, o avião facilitou a vida de Waldemar Verde.

Chegou a construir várias pistas de pouso para facilitar o serviço. Mas em alguns lugares não era possível. Em Ida Iolanda, atualmente distrito de Nhandeara, Waldemar Verde não tinha como pousar o avião. O habilidoso empresário e piloto exímio diminuía a velocidade do  avião de 100 Km/h para 40 Km/h, baixava um pouco, dava uns gritos com o avião voando em volta da igreja e jogava o pacote de dinheiro pela janela.

Imagino que eram bons tempos. Onde dinheiro podia ser jogado pela janela do avião.

Referência:

ARANTES, Lelé, REY, José Luiz; YARAK, Areta. Quem faz história em São José do Rio Preto. São José do Rio Preto: THS, 2006.

Diário da Região.Vida & Arte, 20 jul., 2014, 4-C e 5-C.

Observação: a foto é apenas ilustrativa, não se refere ao verdadeiro avião de propriedade do citado empresário.Fonte da foto:   bcac3869.blogs.sapo.pt

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre Alexandre de Freitas

Graduado e pós-graduado em ciências humanas, professor na educação básica e superior.
Esta entrada foi publicada em Memória. ligação permanente.